segunda-feira, 21 de maio de 2012

Todo verde é sustentável?


A questão da sustentabilidade se encontra em todos os lugares e atividades que se realiza. Hoje fui almoçar no Subway e percebi que o embalagem do guardanapo não é mais de plástico, e sim de um tipo de papel mais fácil de ser reciclado e que não utiliza petróleo na sua fabricação, ou seja, gasta menos energia. A Unilever também mudou o formato das embalagens de seus produtos reduzindo drasticamente o consumo de papel. Outro dia vi uma propaganda do iogurte Danoninho educando crianças e adultos sobre a importância de se plantar árvores. O iogurte vem com sementes surpresas para realizar as plantações e uma chamada para plantar árvores virtuais que ajudam a reflorestar a Mata Atlântica. Constantemente encontramos em empresas e locais públicos latões de lixo por tipo de resíduos (metal, papel, plástico, vidro) incentivando as pessoas sobre a coleta seletiva. Ou seja, os consumidores estão identificando aquelas empresas que buscam de alguma forma ajuda o meio ambiente, seja reduzindo o impacto ambiental, seja recuperando o prejuízo ambiental ou promovendo a educação ambiental na sociedade.

Por outro lado, me deparei com um outdoor que buscava alertar as pessoas sobre a “verdade” das sacolas biodegradáveis: ele informava que o preço era abusivo (essa parte já suspeitava) e que nem sempre são biodegradáveis (essa parte fiquei surpresa e decepcionada). Será que ao mesmo tempo que estão promovendo sua imagem como sustentáveis também podem estar nos enganando?? Se isso for identificado como verdade em algum caso, pode acabar com todo o progresso feito para a conscientização ambiental na sociedade. A lógica é igual a uma prova de concurso da CESPE/UnB, ou seja, uma questão errada anula duas certas.

O que se deve fazer em situações como essa? Muitas vezes as pessoas não sabem o poder que tem as pressões sociais sobre as instituições públicas e privadas. Portanto, os consumidores devem acompanhar as empresas que costumam comprar algum tipo de produto ou serviço para evitar que sejam enganados. Hoje vi no centro de Belo Horizonte uma manifestação contra o novo código florestal. O mais famoso jargão “Veta Dilma” certamente irá fazer jus à sua denominação, assim como o “Veta Lacerda” evitou o aumento do salário dos vereadores de Belo Horizonte, um exemplo de cidadania que deveria ser seguido em todos as esferas do poder público!

Pra finalizar, deixo mais uma inquietude a ser repensada: “não basta dizer que é verde, tem que provar a veracidade da informação, senão, eu teria que aceitar que os extraterrestres também são sustentáveis!” (rsrs...)