quarta-feira, 6 de junho de 2012

Apresentando o conceito de ecoeficiência empresarial


Ontem foi o dia do meio ambiente, e para comemorar isso, vamos trazer um conceito fundamental sobre o desenvolvimento sustentável que implica na coexistência pacífica entre empresas e o meio ambiente. Mas porque tratar de empresas? Por que são as maiores exploradoras de recursos naturais, e mesmo após este consumo ainda geram grande volume de resíduos e impactos ambientais. Portanto, é importante entender como funciona essa relação, a qual pronuncia a possibilidade de geração de resultados financeiros na medida em que se protege o meio ambiente.


Parece um assunto banal de se tratar, mas não podemos nos iludir achando que entidades com fins lucrativos irão investir em proteção e/ou recuperação ambiental simplesmente pelo fato de estarem preocupadas com o meio ambiente. Tais investimentos são onerosos e podem comprometer financeiramente uma empresa. Vimos no post anterior que os dois principais motivos que fazem com que as empresas realizem práticas gerenciais ambientais estão focados em atender às legislações ambientais e melhorar a imagem da entidade. Portanto, é necessário existir uma justificativa mais atraente para que as empresas possam investir no meio ambiente independentemente das pressões sociais e normativas.


Para isso, surgiu o conceito de ecoeficiência pelo Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) onde sugere a possibilidade de obter um bom desempenho ambiental atrelado ao bom desempenho financeiro, seja pelo ganho de receitas, seja pela redução dos custos. A idéia da ecoeficiência se baseia no pensamento de que a redução de materiais e energia por unidade de produto ou serviço aumenta a competitividade da empresa podendo também criar valor, da mesma forma em que reduz as pressões sobre o meio ambiente. Para o WBCSD, é possível atingir essa ecoeficiência simplesmente alcançando os seguintes princípios:
a) Redução da intensidade de materiais;
b) Redução da intensidade de energia;
c) Redução da dispersão de substâncias tóxicas;
d) Aumento da reciclabilidade dos seus materiais;
e) Maximização do uso de recursos renováveis;
f) Extensão da durabilidade dos produtos;
g) Aumento da intensidade dos serviços.

Desta forma, fica estampado este conceito que deveria ser uma meta a ser atingida por todas as organizações empresariais. No entanto, ainda não há uma uma forma objetiva de mensurar essa ecoeficiência para determinar metas. Por outro lado, o alcance dos princípios propostos pelo WBCSD já é considerado um excelente indicador de ecoeficiência!