domingo, 21 de junho de 2015

Ações Ecológicas Empresariais

Existe uma falsa expectativa de que todos os investimentos em meio ambiente impactam negativamente na rentabilidade das empresas, no entanto, é necessário avaliar os tipos de ações ecológicas que são consideradas nessa perspectiva. Empresas com menor volume de recursos também podem ser sustentáveis e ainda alavancar seus resultados seja pela redução dos custos, seja pela atração de consumidores mais ambientalmente conscientes.

Na visão de Vellani e Ribeiro (2009)*, existem ações ecológicas empresariais (AEE) internas e externas, sendo que as internas atuam sobre os próprios resíduos da empresa como forma direta de resgatar a harmonia, contribuindo para uma ecoeficiência empresarial. Já as externas, atuam de forma para resgatar a harmonia por meio de outros elementos. A figura abaixo expõe um esquema dessas ações ecológicas empresariais (AEE), evidenciando quatro direções para as AEE internas, quais sejam:
I – Substituir insumos não-renováveis por renováveis, reciclados ou retirados de forma ecológica, reduzindo os insumos consumidos pela produção;
II – Transformar os resíduos em insumos;
III – Transformar resíduos em produtos/subprodutos;
IV – Cumprir responsabilidades contratuais, neutralizarem o efeito tóxico do resíduo e coletarem de forma seletiva o lixo.



De forma geral, as direções mais voltadas para redução e reaproveitamento dos resíduos contribuem com a redução dos custos ou aumento de outras receitas aumentando a ecoeficiência empresarial. Por outro lado, as AEE externas tais como fornecer educação ambiental à comunidade, participar de projetos voltados para algum processo de reciclagem, recuperar e preservar áreas, contribuem de forma indireta para resgatar a harmonia entre os elementos e não têm potencial para aumentar a ecoeficiência do negócio, no entanto, participam de forma significativa na melhoria da imagem da empresa e atrai consumidores e investidores mais sustentáveis.

*VELLANI, C. L. RIBEIRO, M. S. Sistema contábil para gestão da ecoefi ciência empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 20, n. 49, p. 25-43, janeiro/abril 2009.